« Home | Gênesis » | Um pensamento... » | Melhores amizades serão sempre eternas... »

Dia de muito, véspera de nada

Muitas coisas nesse mundo nos deixam tristes. O amor deveria nos deixar felizes mas, como tudo nessa vida, é temporário. Felicidade é temporária, tanto quanto a tristeza. A vida é temporária mas não a morte. Filosofia não é nem de longe explorada nesse conto simples, direto e objetivo. Depressivo na sua maior parte mas cômico por ser apenas um conto.
Apesar de grande e cansativo, esse conto reflete bem a insensibilidade humana em relação às pessoas que gostam da gente.
Quem duvida?

*** ELE E ELA ***
Era uma época parecida com essa: véspera de olimpíadas, tempo chuvoso e frio, morto; havia a dúvida e não mais o cinismo. Ela não o queria. Por que continuava então? Por que não dava fim logo àquela dor que corroía aos poucos seu estômago a cada nota que ele soltava em sua gaita desafinada. Ele nunca teve aulas de gaita e, como todo mundo que pega em uma gaita, achava que tocava maravilhosamente bem. Isso a irritava profundamente mas, o que não mais a irritava? Cada suspiro que ele dava em tempos de calor era motivo para que ela se irritasse; se estivesse frio então...

*** ELE ***
Ele mudou muito seu conceito sobre mulheres nesse mundo, só não entendia o porquê de ela não sujar logo as mãos com seu golpe de misericórdia. Se dependesse dele, aguentaria essa via-crucis pelo resto da vida. Ele já se sentia só ao ver televisão e ouvir rádio, logo, não tinha mais saída. Pensava nisso o tempo todo e nunca soube como explicar a ela. Pensou um pouco e resolveu espairecer. Saiu sozinho como era de se esperar e se pôs a deliberar. Desligou o celular simbólicamente - ela não o ligava mais mesmo, ainda mais para celular; muito caro! - e um mundo de amargura veio à sua cabeça. Não achou explicação plausível para o que estava acontecendo. Sofria muito por dentro, sem que ela notasse. Chorava sozinho, resmungava sozinho, se zangava sozinho, praguejava sozinho; tudo era sozinho agora. Sua vida não tinha outro valor senão com ela e ao notar que não a mais tinha, quis arrumar algum meio de ela sofrer um pouco. Não encontrou forma melhor que não o suicídio. Engraçado para quem lê como parece coisa normal o suicídio na vida desse jovem mas sua dor era deveras grande. Sempre pensamos que nada é tão grande a ponto de uma pessoa tirar sua própria vida. No máximo, tirar a vida do próximo mas ainda assim é coisa extrema, inaceitável, impenssável. Ele tinha um coração puro e só havia amado uma pessoa nessa vida. Não estava pronto - segundo sua própria concepção - para a vida sem sua amada ao seu lado. Nesse instante, passou um pouco mal graças a algumas cervejas e, depois dos vômitos, estava com a cabeça mais no lugar. Resolveu ir à praia, apesar do frio e apesar da chuva. Sentou-se na areia de calça jeans e camisa pólo como se não houvesse chuva alguma. O mundo estava fechado a ele e sua teia de pensamentos confusos que, pouco a pouco, entravam em sério conflito. Acendeu um cigarro, deu dois tragos e zuniu seu vício:
-De hoje em diante, nunca mais fumo um cigarro!
Andou lentamente em direção ao mar. Suas lágrimas se confundiam com a chuva e seu pensamento agora era bem alto:
-"Eu só queria ouvir um 'eu te amo'. Isso é tão difícil assim, Deus"?
Teve medo do arrependimento e resolveu correr ao infinito. Ao inexplorado e desconhecido. Ao mundo novo onde, segundo sua mãe fortemente católica, ele não mais sofreria. Exitou e chorou muito antes de ser engolido pelo mar.


*** ELA ***
Ela?! Ela deu por sua falta no dia seguinte. Achou que nada passava de uma vingança e que ele a ligaria no dia seguinte. Dois, três dias se passaram antes de ela tomar alguma atitude. Foi à casa dele e não o encontrou. Ligou para seus pais que não sabiam do seu paradeiro. Perguntou a amigos, do trabalho, na faculdade. Nada. Sua feição continha um "q" de emoção. Talvez preocupação, talvez desespero, talvez...
-Essa casa não é a mesma assim... vazia. Provavelmente, viajou para Petrópolis. Já entendi tudo! Meu aniversário é semana que vem e ele deve ficar por lá tentando me magoar. Meu Deus, espero que sim!
Pegou o telefone e procurou a agenda na bolsa. Catou algo na letra "C".
-Cláudio? Vai fazer o que hoje?

pesado....

ui... como superá-lo?!?

existem algumas coincidências terríveis nesse texto...

queria poder descrever em palavras a minha cara.....mas não consigo

mto bom!

há mais de quinze anos, meu primo, então com dezenove, vestiu um bonito smoking numa determinada madrugada na Argentina. Acordou sua namorada que refazia-se do prazer, dirigiu-se à sala aonde um 38 ansiava por queimar-lhe o peito...

Não sei se ela hoje existe ou se sobreviveu ao impacto daquela visão. Talvez nem queira saber...
A ele, eu pergunto sempre, aonde quer que esteja: Por que fez isso...

Edden, por favor, vc pode conversar em off comigo no email fernando0183@uol.com.br, motivo? perdi meu grande amor, estou muito depressivo e queria compreender pq ela usou esta frase "Dia de muito, véspera de nada"quando tentou se matar longe de mim, eu amo muito ela mas estou perdido, obrigado

Postar um comentário

Links to this post

Criar um link