« Home | A varinha de condão » | O caso do italiano. » | No Divã - parte I » | Eu sei, mas não devia! » | Dom Miguel » | No início tudo era vida. E um dia veio ele, inimag... » | O amor é psicológico? » | O Professor » | Linhas Soltas » | Procurando... »

Uniforme

Para tudo há uma denominação. Uma descrição. Uma lógica que tenta definir as coisas. No restaurante, através do figurino das pessoas, podemos identificar os garçons, os seguranças, os clientes e o chofer. Numa igreja católica fácil identificar os padres, as freiras, os fiéis.

Mas o figurino existente nas pessoas é o figurino da alma. Aquele que descreve, que descrimina, que rotula. Por que as pessoas insistem em criar barreiras e divisões antropológicas? Já não basta a pluralização natural do meio? Já existem as verdades absolutas que servem como base existencial das coisas. O resto é filosófico. O resto é conceito.

Criam camadas. Torcidas. Grupos. Tribos. Estilos. Ritos. Mitos. Símbolos. Crenças. Religiões. Ideologias. Bandeiras. Muralhas. Políticas. Armas. Covas. Drogas. E tudo para quê? Para alimentar a fome dos miseráveis que insistem em vestir o avental da hipocrisia e assar nas diversas cozinhas do inferno existentes no mundo a carne da intolerância.

Propósito do post? Nenhuma... é livre interpretação. Aqui você encontra isso!

fodão!
segredo social eh isso!
livre interpretação, textos analítos que põe o leitor pra pensar.. e pensar.. e pensar...
será q eh isso msm?
tamo junto! :)

Postar um comentário

Links to this post

Criar um link