« Home | Teoria da Lasagna » | Uniforme » | A varinha de condão » | O caso do italiano. » | No Divã - parte I » | Eu sei, mas não devia! » | Dom Miguel » | No início tudo era vida. E um dia veio ele, inimag... » | O amor é psicológico? » | O Professor »

Como é que se diz "eu te amo"?

Pura e simplesmente uma redeclaração de amor...

Era noite quando nos encontramos
Suas mãos suavam e eu sorria
Nos víamos quase todos os dias
E nos sentíamos como nos velhos tempos
Ao invés de apenas misturarmos
Coisas do tempo com coisas de amor

E foi tão simples voltar a sorrir
Não custou tanto quanto imaginávamos
Promessas são feitas a todo o tempo
E todo mundo as quebra
Assim mesmo, não nos afetamos
Pois o que está atrás do muro nunca sairá
Nem pela fresta que não convém se abrir

Me julguei simples pois demorava a retornar
E saí tão sóbrio que mal pude enxergar
Que o que eu mais queria era aqui não estar
Por sentir tão forte falta de ar
Sem a intenção da graça e do gracejo

E sem tempestades
Apenas a calmaria tão desejada e entediante
Sem tornados nem maremotos
O mundo como o homem quer
Tal é a falta de sorte que atinge uma mulher
Difícil de mesclar ou entender
São apenas opções e já não são recíprocas
E, por assim dizer, não se entendem perfeitamente

E é desse jeito que todos nós vemos a perfeição...
... por uma fresta no muro

Nossa, essa me tocou, seu Edden!!
Profunda esta redeclaração!
Tá aê... gostei! Parabéns! Em breve postarei!
bjos, Carol Zo =)

Postar um comentário

Links to this post

Criar um link